sexta-feira, 20 de junho de 2008

Revolta-te

Sai!
Pega no caixote que está na despensa,
Abre a porta de tua casa
E desce as escadas o mais depressa possível.
Chega à porta da rua
E prime o botão
Para esta se abrir.
Sai.
Corre para o meio da estrada
E pousa lá o caixote.
Deixa que os carros parem à tua volta
E que os condutores furiosos
Buzinem
E te mandem para sítios indesejados.
Deixa que as pessoas fiquem estupefactas
A olhar para ti
E que se questionem pelo motivo
Por tu estares ali.
Deixa que a tua mãe corra atrás de ti
E te diga para saíres do meio da estrada.
Deixa que os teus vizinhos vão às janelas
E varandas
E se riam das tuas figuras.
Deixa que as criancinhas te queiram imitar.
Deixa que a senhora da livraria acenda o cigarro
E se encoste a ombreira da porta
A ver o espectáculo.
Deixa que as sirenes da polícia se façam ouvir
E que os agentes saiam armados do carro.
Depois olha à volta
E vê o que causaste.
Por fim,
Enche os pulmões
Com a maior quantidade de ar que conseguires
E
Grita.
Solta o grito que te atormenta,
Solta o grito de raiva,
O grito de fúria,
O grito de ódio,
O grito de desilusão,
O grito de angústia,
O grito de preocupação,
O grito de desespero,
O grito de amor.
Grita até não teres mais fôlego,
Grita até o choro das crianças assustadas
Te acompanhar.
Grita até já não te poderem ouvir mais,
Mas grita.
Quando acabares,
Sorri
E olha à tua volta mais uma vez.
Vê a cara das pessoas.
Solta uma gargalhada
Se ainda tiveres voz.
Depois,
Desce do caixote,
Pega nele.
Passa pela porta de entrada
E sobe as escadas.
Abre a porta de tua casa,
Pousa o caixote na despensa
E faz o que quiseres.
Foste tu,
E só tu.
Não imitaste ninguém.
Não fingiste ser quem não eras.
Fizeste o que quiseste.
Revoltaste-te conta o mundo
E contra ti própria.
Desataste o nó que tinhas na garganta.
Não te arrependas disso.
Nunca te arrependas do que fizeste,
Mas sim do que deixas-te por fazer.
Tenta faze-lo se ainda fores a tempo,
Senão,
Nada feito.
Nunca mudes.
Sê sempre tu.
És “especial” assim.
Ama-te.

Eunice Vistas
2008.05.24

3 comentários:

sara_kenji_shinoda disse...

Chiça rapariga, tás muito dark. Acredita, não é bom! Alegra isto um bocadinho, vais ver como o espírito flui! E olha que sei do que falo! LOL
Mas continua a escrever, que vais bem ;)

ah e http://pontozero.blogs.sapo.pt

Beijinho

Miguel Cruz disse...

Bem, já sabes o que eu penso em relaçao a este texto, certo? =P todos os textos têm que ver com o estado de espírito do momento, e independemente de ser dark ou alegre, és sempre tu a escrever e é isso que interessa! Este texto deixou-me marca! E acho-o lindo, mesmo! =D

Beijoca, Nice! =D

Teu Besty! ;)

nuno sargento disse...

inspirador, obrigado.